Etiqueta nos aeroportos (parte 1)
Carla Vilhena
04 jul 2016


Temos que falar sobre isso!

O assunto de hoje é etiqueta nos aeroportos. E não é etiqueta de bagagem, não. Etiqueta é educação para convivência. Não é algo fútil, nem supérfluo. Torna a vida de todo mundo mais fácil e agradável.

Não venha me dizer que estou sendo preconceituosa, que me incomodo porque todo mundo hoje em dia viaja de avião, como nunca antes na história deste país. Pelo contrário. Os comportamentos inconvenientes independem de classe social; aliás, muitas vezes são agravados por partirem de pessoas que acham que têm direitos divinos sobre as outras.

Chegando à sala de Embarque

Vou dar um exemplo; aliás, vários. Para entrar no setor de embarque, deixe preparada a sua passagem, para que ela seja vistoriada por um funcionário do aeroporto. Comigo já aconteceu a seguinte situação – e olha que eu já estava preparada, com a passagem já posicionada num bolsinho separado da bolsa, junto à carteira de identidade. Parei um segundo – mas REALMENTE um segundo – para pegá-la.  Antes que eu pudesse apresentá-la ao funcionário que faz a leitura do código de barras, já um sujeito muito bem vestido, de terno, sem a menor cerimônia, passou à minha frente. Atrás dele, toda a fila se viu no direito de fazer o mesmo. E eu fiquei ali, estacionada, com o bilhete na mão, vendo o funcionário passar quinze pessoas na minha frente. Até que, como um carro tentando mudar de faixa em meio ao trânsito, forcei a passagem para voltar à fila; dei seta e TCHUM… fechei todo mundo. Senão era capaz de ainda estar lá.

O raio-X

Chegando à esteira do raio-X, me deparo com várias filas para escolher. Tento escapar daquela que tem pessoas carregadas com mil sacolinhas de mão, que são totalmente inadequadas para a confusão de um embarque num aeroporto. Minha dica: programe bem a sua bagagem, para tentar acomodá-la no menor número de volumes possível. Lembre-se que o risco de esquecer algo é grande quando você carrega mais sacolas do que o número de mãos que possui. Facas, garfos, canivetes, alicates, garrafas ou frascos contendo mais do que 100 ml de líquido, tesouras, compasso, ferramentas, espátulas de unha, tudo isso é proibido. Se você tiver isso na bolsa, terá que voltar ao check-in para despachar ou descartar ali mesmo.

20151104_111355

Eu e o cinegrafista Wellington Cabelo numa viagem pelo Fantástico. Repare na sapatilha e na écharpe, útil para o ar-condicionado às vezes gelado dentro do avião.

Passando pelo detector de metais

É uma espécie de pórtico retangular, em que temos que passar, um por vez. Nada escapa dele. Nem o aparentemente inocente salto do seu sapato. Botas, então, nem pensar. Mesmo as sem salto têm que ser retiradas e colocadas na esteira para passar no raio-X. Portanto, pense no que vai vestir para agilizar o embarque. Não precisa ir de chinelos de borracha: uma sapatilha ou um sapato com sola de borracha é o ideal. Não use cintos com fivelas enormes (vai ter que tirar), cuidado com roupas cheias de fivelas, tachas, etc… Se você for do tipo punk ou metaleiro, leve a roupa na mala e recomponha seu look depois da viagem. Ponha o casaco solto na bolsa (não pode passar carregando), tire com antecedência relógio, celular do bolso, moedas, tudo que puder acionar o detector. Isso vai fazer a fila fluir, sem que você nem os outros se aborreçam. Se você não puder prescindir do salto alto, use algo fácil de tirar do pé; evite, por mais linda que seja, aquela sandália de mil tiras que têm que ser abertas e fechadas uma a uma… Depois você vai me agradecer. (continua…)

 









16 comentários


///////////////

  1. Lydia

    Adorei post. Inconveniência em aeroportos é um tema tão frequente quanto infrações de trânsito, mas que não geram multas… Tomara que muitos leiam!!

    1. Carla Vilhena

      Também espero que muitos leiam e adotem atitudes bem mais cordiais e agradáveis para todos! Obrigada!

  2. Fabio

    Oi Carla! Muito interessante e extremamente útil suas dicas pois na sua experiencia deve ter visto muitas cenas hilarias e outras nem tanto, pois atrasar ou por pior das hipóteses perder um voo ( isso jamais !!!! ) ninguém merece… Afinal de contas hoje os aeroportos andam sempre com um movimento muito grande e para uma feliz convivência de todos acho que devemos seguir essas preciosas dicas! Esperando a parte 2….rs Parabéns e um lindo e proveitoso dia !

  3. Maíra

    Ótimas dicas, mas uma outra bem útil é estar com o documento e ticket em mãos para não parar a fila na hora de embarcar.

    1. Carla Vilhena

      Exato! Como eu expliquei, estava no bolsinho de fora, aberto, foi apenas o tempo de puxar pra fora. Um segundo. Bastou para que o tal cidadão forçasse a passagem.

  4. Ricardo Moreira

    Ótimas sugestões. É uma pena que as pessoas sem educação não lerão seus posts!!!!!!!

    1. Carla Vilhena

      Não perco a esperança! Obrigada pelo elogio e volte sempre ao blog!

      1. ademir

        Muito boa sua dica, é isso mesmo que vc escreveu
        Um abraço Carla

        1. Carla Vilhena

          São anos de prática, a trabalho e – felizmente – também a passeio! Obrigada, Ademir!

  5. Pingback:Etiqueta nos aeroportos (parte 3) - Carla Vilhena

  6. Pingback:A arte de fazer malas - Carla Vilhena

  7. Falcão Maia

    Muito interessante, obrigado por compartilhar esse conteúdo de extremo valor

  8. Malena

    Excelente Carla, aliás, como sempre. Viajo com frequência e vejo que você deu ótimas dicas e não esqueceu de nada. Levei ano passado um canivetinho
    porque tinha lixa de unhas e não houve jeito, tive que deixá-lo por lá mesmo.
    Viajar de botas é um horror mesmo, se tiver uma fivelinha então…nem se fala.
    Parabéns pelo site.

    1. Carla Vilhena

      Obrigada, Malena! Fico feliz em ajudar. Aproveite para ver os outros posts e passear pelo site!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sugeridos para você:

///////////////