Menu
Como passei de mochileira a turista
i
22
JUL
Como passei de mochileira a turista

Esta é a história de como passei de mochileira a turista. Fomos, eu e minha irmã, criadas por pais bem aventureiros. Passamos a infância viajando e acampando por todo o Brasil. Fizemos duas vezes a viagem do Rio de Janeiro a Salvador, na Bahia, de carro, parando no caminho em cidades sem infraestrutura e com campings praticamente selvagens.

Mochileira

viagem san mauroQuando eu tinha 19 anos e minha irmã, 17, fomos pela primeira vez à Europa, numa viagem daquelas inesquecíveis. Praticamente duas mochileiras, partimos levando apenas mil dólares cada uma em dinheiro para passar quase dois meses. O dinheiro era pra pagar tudo: hospedagem, comida, passeios. Compramos um daqueles guias que faziam sucesso na época, “Europa com 20 dólares por dia”, e fomos na maior aventura das nossas vidas até então. Meus pais compraram as passagens pela Lanchile, baratíssimas. Perguntaram à minha mãe se não tinha medo de mandar as filhas daquele jeito, num avião antiquíssimo, um Boeing 707. Ela respondeu: “Mas o piloto tem que trazer o avião desde Santiago, atravessar os Andes, esse é bom de braço.”

Aventura

viagem lago

Partimos com nossas mochilas às costas, a carteirinha de albergues de juventude, compramos um passe de trem de segunda classe para o período da viagem e fizemos um roteiro que incluía vários países: Itália, França, Áustria, Alemanha, Bélgica e Inglaterrra. Foi um marco na minha vida. A partir daquela viagem, comecei a sonhar com novos horizontes, me dediquei (ainda mais) aos estudos, aprendi vários idiomas, para atender à minha nova prioridade: conhecer novas culturas, novas paisagens, comidas diferentes, enfim, viajar, viajar, viajar muito.

(Lago di Garda, Itália, 1990, com uma família sueca e Parque Mini-Itália, Rimini, 1988)

Toda essa introdução é para que vocês conheçam um pouco a história da minha vida, para que saibam por que sou como sou. Nunca tive vontade de ter nada, casa de praia, de campo, barco, nada que me prenda. Na verdade, não queria nem mesmo ficar presa a um país só. Gostaria de ter uma vida cigana, um pouco em cada lugar.

(Rimini, Itália, 1988)

Turista profissional

viagem san mauro2

Bom, não foi bem isso que aconteceu. Comecei a trabalhar, como já contei aqui no sobre mim. Acabei me fixando em São Paulo, tendo filhos e o resto vocês já sabem. Mas nunca deixei de ter aquela chama que me impulsiona a conhecer pe

ssoas e lugares. Hoje, como repórter, realizo um pouco do sonho de viver em trânsito. Quando fui morar na Europa, pouco depois daquela primeira viagem, meus pais ficaram preocupados, pensando que eu ia porque não gostava da minha família. E eu respondi: “pelo contrário, se eu não tivesse a certeza do amor de vocês, não conseguiria dar um passo na minha vida. Só me av

enturo do outro lado do mundo porque vocês me deram a segurança de saber que, se tudo der errado, tenho para onde voltar.”

COMPARTILHE
por Carla Vilhena
Facebook Twitter Google Plus Pinterest WhatsApp E-mail
Contato:
(11) 99795-9819 Carlos Monnerat - horário comercial
Newsletter:
© Copyright 2018 - Carla Vilhena. Todos os direitos reservados. O conteúdo deste site não pode ser reproduzido, distribuído, transmitido ou usado, exceto com a permissão prévia por escrito. Site by Miss Lily