Menu
Cinema Paradiso
e
26
JUN
Cinema Paradiso

Uma ode de amor à chamada “sétima arte”:

Assim é o filme de Giuseppe Tornatore, que se passa na Itália antes da popularização da televisão e mostra um menino (Totò) apaixonado por cinema, a ponto de frequentar diariamente a sala de projeção. Lá, faz amizade com o projecionista Alfredo, que o inicia nos mistérios da tela grande. Mais tarde, já um cineasta famoso, Totò recebe a notícia de que Alfredo havia falecido. Isso o faz voltar às doces lembranças do passado e à nostalgia de dias de inocência.

O filme é apaixonante como uma declaração de amor.

A magia da tela e a atração que ela exercia sobre as multidões são mostradas em plenitude. No entanto, para quem nasceu na era da televisão e da internet, é difícil acreditar na histeria da época em torno de um lançamento de Hollywood. Infelizmente para nós, que temos a imagem domesticada em mini-telas de smartphones, pensar no fascínio que o cinema exercia na época exige muita imaginação. Mas sempre é possível reviver um pouco desse fascínio assistindo aos clássicos que nunca morrem. Um exemplo é a cena a seguir, que mostra o que é para mim o beijo mais sexy do cinema, entre Burt Lancaster e Debora Kerr.

a-um-passo-eternidade

A Um Passo da Eternidade

Fiz do cinema minha paixão para a vida toda.

Minha irmã e eu éramos apaixonadas por filmes antigos. Na época, nossa diversão era ver e rever infinitas vezes os musicais de Gene Kelly, Fred Astaire, Esther Williams e suas piscinas, e tantos outros… Em consequência disso, apesar de criança, minha irmã  sabia o nome de todos os atores que apareciam naquela mesa gigante, de algum almoço comemorativo nos estúdios de filmagem, e que era mostrada sempre em especiais sobre Hollywood.

genekelly

Gene Kelly no maravilhoso “Cantando na Chuva”, um dos melhores filmes de todos os tempos

Quando tive meus filhos, fiz questão de iniciá-los com filmes como os de Jerry Lewis, Frank Sinatra, James Dean (ótimo para adolescentes), e percebi que, muitas vezes, tinham dificuldade de convencer os amigos a assisti-los junto com eles. Quase sempre, as outras crianças não suportavam o ritmo mais lento, a edição arrastada, a música e os diálogos longos.

jamesdean

James Dean em “Juventude Transviada”

 

ladies-man_002-1-jpeg

Jerry Lewis em “O Terror das Mulheres”

 

setenoivas

Musical “Sete Noivas para Sete Irmãos”

Foi então que passei a aconselhar vários amigos com filhos pequenos.

Se você gosta de cinema clássico, e quer que seus filhos apreciem com você, por que não tenta fazer com que eles comecem cedo a se acostumar a um ritmo diferente? Hoje em dia tudo é muito rápido. Os filmes são editados em velocidade de videogame. Portanto, se a criança não for apresentada aos clássicos antes de cair nessa roda-viva, será muito difícil reverter isso.

Felizmente, não sei como resultado dos meus conselhos, vi vários amigos serem bem-sucedidos nesse esforço. Conheço muitos adolescentes, amigos de meus filhos, que curtem os clássicos, sem serem pessoas deslocadas ou fora da realidade de seu tempo.

Vi que há esperança para a arte do cinema.

Sobretudo, que há uma nova geração que conhece o que é bom e vai manter alto o nível de exigência das novas produções. Isso é o que vai fazer o bom cinema ter lugar sempre nos nossos corações.

Deixo aqui uma pequena lista de clássicos do cinema que marcaram minha vida:

  • O Clamor do Sexo (Splendor in the Grass, direção Elia Kazan, 1961)
  • A Felicidade não se compra (It’s a Wonderful Life, direção Frank Capra, 1946)
  • A Noviça Rebelde (The Sound of Music,  direção Robert Wise, 1965)
  • Sissi (trilogia de Ernst Marischka, 1955)
  • Pele de Asno (Peau d’Âne, direção de Jacques Demy, 1970)
  • O Poderoso Chefão (The Godfather, direção Francis Ford Coppola, 1972)
  • Morangos Silvestres (direção de Ingmar Bergman, 1957)
  • Bellissima (direção de Luchino Visconti, 1951)
  • Amarcord ( direção Federico Fellini, 1973)
  • A Cor Púrpura (The Color Purple, direção Steven Spielberg, 1985)
  • Amor, Sublime Amor (West Side Story, diretor Robert Wise, 1961)
  • Cantando na Chuva (Singing in the Rain, direção Stanley Donen, 1952)
  • Sete Noivas para Sete Irmãos (Seven Brides for Seven Brothers, direção Stanley Donen, 1954)

Sei que é uma lista modesta para a quantidade de maravilhas que o cinema produziu. Mas é apenas um começo para quem quiser saber o básico das várias épocas áureas desta arte. Divirta-se!

(Fotos divulgação na internet)

COMPARTILHE
por Carla Vilhena
Facebook Twitter Google Plus Pinterest WhatsApp E-mail
COMENTÁRIOS
(8) Comentário(s)
  1. Djalma Ramos disse:

    Carla muito lindo e maravilhoso precisamos de sensibilidade e vc tem.

    1. Obrigada, venha sempre ler os posts!

  2. Claudio Marques Vicente Vianna disse:

    Carla, meu filho com 3 anos riu com os Irmãos Marx e agora, com 4 anos, gargalhou com Tom & Jerry antigos. Boas dicas pra fazer ele gostar dos clássicos.

    1. Uma das cenas que mais fizeram meus filhos rirem foi a máquina de alimentar do filme “Tempos Modernos”, do Charles Chaplin!

  3. Celso de Macedo Marques disse:

    Exelente trabalho e de muito bom gosto.

    1. Obrigada! Venha sempre ao blog e recomende aos amigos!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Contato:
(11) 99795-9819 Carlos Monnerat - horário comercial
Newsletter:
© Copyright 2018 - Carla Vilhena. Todos os direitos reservados. O conteúdo deste site não pode ser reproduzido, distribuído, transmitido ou usado, exceto com a permissão prévia por escrito. Site by Miss Lily